Nome:
Local: Natal, RN, Brazil

domingo, janeiro 16, 2005

O que é o amor

O que é o amor
Ao consultar um dicionário por aqui, fui ver o significado da palavra amor e me deparei com um significado muito vago: Amor s.m. 1. Afeição profunda. 2. O objeto dessa afeição; pessoa amada. 3. Zelo; cuidado.
Daí decidi fazer algo para complementar esta definição. Eis aqui o fruto de um momento de reflexão.
Será que amar é apenas ter uma afeição profunda por alguém, nesse caso, a pessoa amada? Complemento, embora ache que alguém discordará de mim quando direi que para amar realmente, é preciso também ser amado. Não que seja obrigatório, mas para que o significado tenha sentido, para mim, é preciso que haja uma reciprocidade, senão ir-se-á ter um amor platônico (basta saber que é aquele que é alheio a interesses ou a gozos materiais), no qual apenas uma pessoa ama, e a amada, na maioria das vezes não sabe que é o motivo de alegrias e frustrações de alguém que pode fazer parte do seu cotidiano. Digo isso porque, de certa forma sei o que é passar por uma situação como essa.
Amar é possuir um sentimento nobre e é um privilégio de poucos. Sentir seu coração bater mais forte na presença da pessoa amada é uma sensação que supera muitas outras que experimentamos na vida. Ter a presença da pessoa amada nos faz certas transformações que às vezes é questionada se não seria um sonho. E não seria?
Talvez eu possa não ser a pessoa mais certa para descrever as sensações e reações químicas que ocorrem quando nos damos as mãos e ficamos um olhando o outro, no momentos em das trocas de olhar, o que passa por nós no momento dos abraços carinhosos, do beijo, mas o que sei é que nos traz uma sensação de bem estar, e que sempre deixa-nos um “gostinho de quero mais”.
Quando o amor domina a gente, apenas o fato de estarmos andando na rua e de repente sentirmos um perfume, somos capazes de associar isso a um instante de nossa vida e lembrarmos de um momento que inconscientemente ficou marcado na nossa memória e isso nos provoca um desejo de (se bem que nunca mais seria a mesma coisa) repetir o fato ocorrido.
O amor é como uma flor que desabrocha, é o ápice de uma estória, é algo que de repente toma conta do corpo, nos faz ver com outros olhos um pôr do sol num dia em que a gente mal parou para ver se o dia tinha passado rápido. Faz nos conseguir ouvir o canto dos pássaros quando normalmente mal paramos para prestar atenção que eles estão ali presentes.
Por falar em presentes, faz um tempo, li um texto que dizia: “(...) dar presentes inesperados em momentos também inesperados(...)". É muito bom fazer isso. De repente se surpreender ao receber uma florzinha apanhada de um canteirinho. O segredo não está no valor de quanto custou o presente. O verdadeiro valor (a gente escuta muito isso) está no significado que aquele objeto tem para nós. O sentido não está em apenas dar o presente. Implícitos estão: o carinho, a alegria da pessoa que presenteia e a esperança de ver também alegria estampada no rosto do presenteado.
Agora eu me pergunto, o que se tem de interessante no ato de “ficar”? Será que o amor visto nos casais de amantes, como os namorados, está sendo posto em segundo plano, ficando no primeiro o ato de beijar e “curtir o momento”? Podem me chamar do que for, mas acho que o “ficar” destrói tudo aquilo que escrevi acima, deixando todas as idéias de amantes. E o pior é que depois de uma noite de festa, de muita “curtição”, é de costume de uma boa parte dos adeptos ao “ficar” passarem a limpo para um(a) colega, um relatório completo de cada “ficante”.
Gostaria de saber que fator é esse que modifica o comportamento das pessoas ao longo do tempo. Hoje vejo que meus pais não tiveram essas experiências, porém aceitam com naturalidade a idéia de se ter vários ficantes, paqueras ou como queira, numa mesma festa. Meus avós podem, naturalmente, rejeitar esta idéia e criticarem-na, a ponto de nós, jovens chamarmos-lhes de caretas ou antiquados.
No tempo deles, namorar não tinha o mesmo significado que tem hoje. Namorava-se, já quando o casamento estava próximo, era um estágio antes do noivado. Antes do namoro, haviam as paqueras, que era simplesmente as tentativas de conquista com trocas de olhares e bilhetinhos tímidos.
Neste momento eu estou “solteiro” e não sou um adepto ao ato de “ficar”, conseqüentemente, as formas de arranjar um amor na minha vida estão bem mais limitadas. Pois se, por exemplo, eu for a uma festa, serei capaz de continuar “solteiro” pela festa inteira. Se for para esperar, que demore mais um ano, mesmo sozinho, não vou sentir falta de dizer que “fiquei com um número x de pessoas em um determinado tempo”. Amor para mim é um assunto muito sério e não posso deixar este sentimento se confundir com apenas uma troca de beijos e abraços. Gosto de amar e ser amado e digo que é um sentimento que guardamos para o resto da vida e que sempre se renova a cada dia quando procuramos meios para que isso ocorra. Não digo muito menos que estou solitário ou que estou só por opção, pois eu não escolho a hora em que vou me apaixonar.
Perguntaram me uma vez se eu sentia falta dos beijos, abraços, trocas de olhares e carícias. Obviamente, sou um ser humano com sentimentos e respondi-lhe que mais valia a presença de alguém na sua vida do que, no fim de uma festa, contar nos dedos o número de beijos que dei. Não me acho careta em dizer isso, apenas não cultuo um modismo criado por algum desiludido que rebaixou o amor a beijos, e que alguns atribuem a isso valores de status, como forma de se achar num grupo, e estar sempre na moda. Moda essa que é passageira na nossa vida como todas as outras modas que já passaram por nós e que não podemos nos deixar levar por todas elas.
Depois desta discursão, vou dormir o resto de noite que me resta e ficar pensando o que me espera. Também pensarei o que eu posso presenciar quando tiver meus filhos. Será que eles ainda vão “ficar”?

---

Escrevi este texto a um ano e meio, em uma das minhas noites sem sono.

1 Comments:

Blogger O Viajante said...

Apoiado!!! Ficar é bom, mas ficar muitas vezes com uma só pessoa, durante um período de tempo indefinido é melhor ainda.

1:37 PM  

Postar um comentário

<< Home